03 janeiro 2009

 


Pintura de Caravaggio


DO AMOR, DE QUALQUER FORMA


Um amor falso também é amor. Não é a falsidade que desmente o amor, pois o amor tem mil faces e aceita tudo, até a própria inexistência dele. Todavia, a inexistência do amor é o silêncio e o esforço que fazemos para não amar ninguém. O amor aceita resistência; é como um pinto que foge da asa da mãe, descobre o mundo e desiste de voltar ao aconchego materno. Um amor quando é falso não é um amor menor, é só um amor indiferente à fidelidade do que deveria ser o amor puro. Pureza não é qualidade. Para o amor não se define o que é qualidade, porque o amor é uma mistura de tudo que duvidamos. É uma mistura de tudo que desistimos de entender, é um entendimento ao avesso. Um amor para ser falso tem que ser um amor que viva só de sorrisos e alegrias, porque o verdadeiro amor, se é amor mesmo, existe nele um breve sofrimento. Não é amor aquele que no início não apresenta prévios obstáculos e impedimentos. Contudo, não deixa de ser amor. O amor verdadeiro nos anula, enquanto que o falso nos reveste, nos dá uma roupagem fora de nosso número ou tamanho. Quer seja muito quer seja pouco, o amor não exige uma quantidade exata, ele apenas exige intensidade – independente de ser verdadeiro ou falso. O amor é um pouco de tudo que não podemos entender por completo; mas, por outro lado, não é nada que devemos afirmar como desnecessário, já que precisamos amar e sermos amados para nos sentirmos falsos com nós mesmos. Na verdade, o amor começa quando a falsidade termina. E a falsidade começa quando o amor esquece de avisar que nasceu. Vai entender...


Comments:
Num sei... quando se toca no amor e suas possibilidades eu volto-me à estudar as quaisquer forma de eu amar...
O construção do amor é o almento do mistério que o torna-se pra mim.
"...Vai se entender"

Continuemos.
 
Caramba... Numa dessas fiquei em dúvida se prefiro o falso ou o verdadeiro! ;)

bjs
 
OLá Wagner!

Um ótimo 2008!
Ah, e muito amor...rs
 
gosto do amor assim, aquele que cospe na cara da gente e ainda lambemos o que escorre porque é doce e bom...

menino! pernambucano!! mais lindo ainda!! como que me achou? posso acompanhar teu blog? gostei muito!! agradeço tua visita, espero que tenha se sentido bem em estar por entre minhas palavras... nos vemos por aí!

abraços, daniribeiro.
 
A tragédia grega é a intermediária entre o amor e a falsidade!

Também gostei do seu blogue.

Au Revoir

:)
 
"O amor começa quando a falsidade termina".

Um bom ano para ti.
 
Gostei de ler. Muito.
 
daí venho aqui e encontro um colo confortável pra tudo de dentro.
que esse ano novo seja um bom ano.
com amor e muito.
=*
 
rs


deu um nó

na

cabeça...rs


beijos
 
andando por ai te achei
e tomei a liberdade de comentar...

não sei se gosto do amor falso ou do verdadeiro, acho que um se confunde um pouco com o outro mas o amor em termos gerais é bom demais amar! adoro a intensidade do amor ,do amar em si , enfim adoro amar seja verdadeiro ou falso..
tbm escrevo, passa lá um dia desses ..
prazer..
meu nome é Fabiola
um beijo!
 
Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?