15 setembro 2007

 

DIÁRIO DE UM AMIGDALITANDO



I.

AMIGDALA: 1 Anat Cada uma das glândulas ovóides, em forma de amêndoa, existente à entrada da garganta, entre os pilares do véu do paladar; antíada, antíade; tonsila; tonsilha; amígdala palatina. 2 Nome de várias estruturas irregularmente elipsóides. Var: amídala. A. do cerebelo: massa arredondada que forma parte do cerebelo na sua fase inferior. A. faríngea: massa de tecido linfóide entre os orifícios nasofaríngeos das trompas de Eustáquio, que é comumente mais bem desenvolvido nas crianças, atrofiado nos adultos e sujeito a hipertrofia e formação de adenóide, especialmente em crianças. A. lingual: massa linfóide na base da língua. A. palatina: o mesmo que amígdala, acepção 1. A. tubária: massa de tecido adenóide ao redor da extremidade faríngea da trompa de Eustáquio e dentro desta ao longo de sua parede média.


II.

AMIGDALITE: Inflamação das amígdalas; tonsilite, esquinência, antiadite.


III.

Mais uma vez minha amiga – de já algum tempo – Amigdalite veio me visitar. De início ela me entrou disfarçada de gripe. Deu-me um drible, tirou sua máscara e mostrou-se. Estou com a garganta coisada. Sim coisada. Nunca aprendi a externar o que se sente quando se enfrenta essa inflamação na garganta. São sintomas chatos, sensações importunas. Já há dois dias que estou em casa de molho, como se fosse uma roupa lavada no inverno, que demora a secar. No ano passado tive a mesma crise, em novembro. Neste ano ela adiantou-se. Vadia. O pior é que a triste dessa amigdalite mexe tanto com o corpo da gente, que apesar de ser na garganta não dá ao menos para concentrar-se ao em escrever ou ler bem.


IV.

Dizem que todo mal traz um bem. Recordar às vezes também é ficar bem. Algo me deixou bem ao ver ontem minha mãe arrumar minha cama como há muito não via. Lembrei dos meus tempos de criança, quando após o banho e a janta ela estendia o lençol e o travesseiro para que eu fosse dormir. Ontem aconteceu igual. Por eu estar um pouco frágil devido à dor de cabeça e à febre, ela se prontificou em arrumar minha cama. Percebi o mesmo amor e doçura de anos antes. Naquele instante acreditei mesmo que o amor das mães para com os filhos não envelhece nem se modifica, apenas se conserva a seu modo, ainda que diante de um filho com os pêlos estourando na cara ou não, com as amígdalas inflamadas ou não.

Comments:
O meu irmão é otorino, mas eu sou um leigo nesta matéria. Sempre fiquei a saber mais alguma coisa.
Obrigado.
Bom Domingo.
 
Pois é, Wagner, tenho quase certeza que a mãe ficou feliz de poder voltar a arrumar a cama do filho.
Essa corja de políticos que estão aí foi eleita por esse povo. O povo não tem que perguntar nada. Tem é que "engulir" as porcarias que elegeu.
Liliane de Paula
 
Obrigada pela visita.

Um bom Domingo!
Beijinho!
 
Melhoras meu querido, é uma baita dor que até respirar incomoda mas o carinho e atenção da mamãe ameniza e faz um bem danado, mãe não muda não, cada dia fica melhor, rss
Se cuida!
Dias bons,
beijos
 
A maior das verdades. Amor de mãe não envelhece, assim como os filhos, como vc disse, com pelos na cara, com a voz grossa, e eles continuam a ser seus filhinhos.
E a alegria é imensa, quando o sentimos vulneráveis, e que podemos ser úteis.
Um beijo
 
Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?