20 maio 2007

 

O AMOR NASCE DO SUSTO


A VOLTA, RAZÕES...

Nunca o amor ofereceu uma calorosa passagem de volta. Retorno totalmente feliz. Pensa-se que voltar uma relação sempre é a melhor saída quando ambos sofrem a dor da separação. Antes de mais nada, pensa-se em voltar devido à falta de segurança em viver sem aquela pessoa tantas vezes presente, independente da forma que fosse. Depois, porque sempre bate a sensação de desespero e a impressão de que pelo menos o pouco tempo distante é e/ou foi suficiente para que se regenerassem os sentimentos que, de alguma forma, estavam por se apagarem. Voltar uma relação implica em vestir uma roupa nova para ir ao mesmo baile, usar uma máscara nova para ir ao baile dos desmascarados. Toda volta exige um cabresto, uma rédea que estimule o coração a frear-se diante da frustração de perceber-se só, de olhar ao redor e sentir a dura sensação do insucesso afetivo. Assim se dá, em primeiro momento, a vontade de retornar ao barco mesmo quando a calmaria ainda se distancia e as velas nem sequer se aproximam. O amor às vezes desconhece as razões que damos para a volta de uma relação, mas também às vezes conhece as necessidades que temos de sempre de ter alguém sempre ao nosso lado.

Tem-se em mente que retomar um relacionamento sempre renova o “X” que fez o papel de combustível da relação. Nem sempre é assim. Toda volta provém de uma ida. Nem sempre a ida se processa por completa. Pois, no meio do caminho, mais do que uma pedra, pode se encontrar um avalanche, um terreno inóspito que nos intimida ao percurso e a rota. A volta de um namoro, casamento ou qualquer coisa dessa natureza é sempre uma tentativa de desafogar-se, de tirar a corda do pescoço, e com ela a sensação de incompetência para uma vida ativamente afetiva do ponto de vista conjugal. Separar-se nem sempre foi o melhor remédio, mas voltar uma relação em que o machucar-se sempre foi a tônica nunca foi a melhor saída para viver feliz – porque talvez seja este o sentido de viver a cumplicidade de uma relação: viver feliz. Entretanto, a felicidade ordena que sejamos destemidos. Destemidos acima de mais nada, porque quando se mergulha numa relação talvez não se encontre o oxigênio necessário para uma volta que nos assegure a integridade sentimental. Enfim, no amor, ao querer voltar uma relação açoitada, busca-se encontrar um tesouro que não se encontrou na terra prometida, uma pérola que se chama “estar-bem”, uma mina que se oculta nas camadas mais íntimas de cada um, um vazio no buraco que se chama “nunca mais”.

Comments:
Acho legal se recomeçar, ou se tentar recomeçar relações afetivas.
Tenho impressão que sua cidade é linda. Cheia de flores e de cores.
A temperatura ajuda.
Liliane de Paula
 
Por vezes pode até dar certo mas acredito que na maioria dos casos as pessoas apenas o fazem na esperança de preencher a lacuna presencial, do hábito
 
É meio difícil retornar meu caminho já traçado... Creio que é mais fácil criar um novo caminho.
Fugir das rotas conhecidas.
Penso da seguinte maneira: se chegou ao fim, é o fim.

Mas claro.. cada situação é diferente de outra! xD

===

valeu pela visita

posso te linkar?
 
ops.. correção!

"É meio difícil retornar meu caminho já traçado..."

em vez de MEU é PELO

¬¬ (to lerda...)
 
Achei esse Blog. Ele é muito lindo.
Eu acredito que uma relaçao nunca esta morta desde que os parceirosolham na mesma direçao.
 
Oi, Waguinho meu irmão é por isso q sou teu fã, hehehe.
Esse texto leva-nos a refletir muito sobre o voltar, o valer a pena voltar ou ñ.
Vc foi muito feliz em mais essa construção. Parabéns meu IRMÃO.
 
Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?