21 dezembro 2006

 

DESPERTAR DE BICHO

Tinha acordado cedo. Cara amassada. Enjoada. Parecia mais o focinho de um vira-lata vadio com fome. Levantou como um jumento brabo. Era bem fácil está com o diabo no couro: logo cedinho chamando nome feio, sozinho, gritando, irritado, emitindo sons estranhos como se tivesse com uma pimenta entalada na goela. Uma criatura tosca, bruta. Pinotou da cama trêmulo. Olhos rasos. Cabelos assanhados e sujos. Dias sem banhar-se. Roupas rasgadas, chinelas velhas e barrentas.

Cusparada pela janela. Não se importou em saber se chovia ou estava estiado. Aliás, não se importou com nada. Nem pensou em passar água na cara. Simplesmente abriu a porta, após engolir um gole d’água, e foi ávido socar-se no mato. Enfiou-se no verde seco da caatinga, sem seguir rastros, pegadas ou pistas de qualquer coisa. O vulto daquele homem perdia-se em meio às cactáceas que se forravam sobre o solo vermelho e árido, enquanto a manhã avançava ligeira; o sol descia agoniado, procurando beijar a terra, como se fosse alguém a querer dar o último beijo num cadáver, segundos antes de lacrarem a tampa do caixão.

Comments: Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?