12 setembro 2006

 

ANTI-PENITENCIAL

Se o que sucumbe a dor e a força alheia
escorre entre os olhos e à face pousa,
transforma-se em mergulho
ou em palavra frágil,
cala o peito como o último beijo
ou excitação forçada.

Mas se espera-se a força da pupila marejada
ao que a voz não quer calar,
a apreensão então sobra no último
gole de cerveja quente,
na camisinha estourada,
no filho ao descer descarga abaixo,
na moeda negada ao bandido armado
e na forca fria com um corpo agoniado a estrangular-se.

Contudo, se pelo rosto escorre apenas
esta lágrima como prova de consolo à pupila:
que desça um temporal a ânsia eterna,
mas sem cravar no coração a ternura
dos que choram a dor do gozo,
a ferida aberta ao sal,
a disputa acirrada da morte,
a sensatez dos que morrem
sem pedir perdão.

Comments: Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?